segunda-feira, setembro 07, 2009

short story

ele apareceu naquela noite, ela sabia-lhe o nome e alguns pormenores da vida. ele não encaixavam no seu perfil de príncipe encantado, falhava 9 em 10 dos pressuposto. na verdade o único que cumpria era ser homem. a conversa fluiu e despediram-se no final com um até breve devidamente encenado durante toda a noite. disse-lhe que escrevia e gostava mas não mostrava a ninguém um exercício egoísta, provavelmente como o próprio, mas ela não ligou, tomou-o por solitário... plim plim! ainda bem que vim gostei de te conhecer... ela respondeu com um sorriso também por sms, sem estar ainda certa do significado da sucessão de acontecimentos da noite. os dias que se seguiram foram agitados e a dúvida que se lhe colocava era "estaria à altura? estaria preparada para não o desiludir?". depois a história da cinderela inverteu-se e quando ela tinha resolvido todos seus medos e dúvidas, o amigo de quatro patas ajudou-a a perceber que sim... ele transformou-se numa abóbora e desapareceu. quando dava um ar da sua graça, sempre absorvido por toda a agitação do dia-a-dia a conversa era fluída, ligada, como se não tivessem passado semanas ou meses, como nas actualizações do windows. ela mentia-lhe, uma e outra e outra vez sempre que surgiam perguntas demasiado intrusivas, media as palavras com cautela. sempre que o deixava encontrava as respostas às perguntas dele que a tinham inquietado. sempre tinha ouvido dizer, que em caso de dúvida o melhor era reduzir-se a um silêncio imperturbável. na última conversa ele contou-lhe que tinha uma paixão complicada (não são todas) ela pressentindo que seria a última conversa quis soltar a voz que tinha naqueles meses calado, foi tarde ou talvez tenha sido melhor assim. ele calou-a atirando-lhe à queima a pergunta "estás apaixonada por mim?" ela... voltou a mentir, depois de tudo não havia como dizer-lhe a verdade, SIM. teria mudado alguma coisa a sinceridade na última resposta... nenhum dos dois vai saber because that's not how the story goes...


depois de um fim-de-semana passado a ver comédias românticas e séries foi isto que saiu, na história de um outro argumentista ele teria percebido, que ela lhe tinha mentido, como fazem os adultos quase sempre e agiria em conformidade tendo como banda sonora uma música cinematográfica, i can see clearly now... fico a saber porque é que nunca terei sucesso como argumentista porque não me parece que este fosse um final popular, mas não me apeteceu escreve-lo de outra maneira...

Sem comentários: