quarta-feira, junho 30, 2010

ia jurar...

que não tinha colocado o despertador para as 6.30 da manhã, que raio de ideia a minha, só me lembro de ter posto o outro para as 7.30 e tocaram os 2... mas eu já tinha aberto o olhito antes disso! acho que as caminhadas me andam a fazer mal... muito mal mesmo!

...

mais uma vez não vi o hino... e na verdade o jogo vi-o sempre com atenção repartida... cheia de boas intenções lá fui eu, a clau, mais uma criança ver o jogo... toda a gente sabe que isso comigo não resulta!
pior se na mesa ao lado estiverem mais uma mãe com 3 miúdos lindos de morrer... ao primeiro quase golo gritei e soltei a língua, foi só uma vez, acho que nem acabei a palavra, mas lembrei-me imediatamente que não estava no estádio da luz, que aqueles meninos não deviam estar habituados a estas manifestações excessivas e que o império não é o sr cardoso, nem a minha casa... momento de enorme arrependimento pela opção... pedi logo desculpa à mãe pelo excesso de entusiasmo e voltei a tomar atenção.
esse momento foi em que tudo virou, claramente os miúdos deram por mim e vá de querer conversar sobre o mundial, sobre futebol em geral, de mostrar os cromos que por acaso tinha com ele, sobre o sporting, sobre o benfica... o mais velho era do benfica como o pai :) os gémeos ainda não se tinham decidido, mas a mãe tinha a secreta esperança que decidissem ser do sporting como ela, como o avô, como os tios. fui falando com os miúdos, com a senhora e afinal até existiam pontos de contacto que eu nunca suporia. às tantas, já o puto dos cromos estava ao meu colo e o outro perguntava mas vamos ganhar não vamos, nós estamos a jogar melhor e eu respondia, convictamente, que sim! brincavam por ali sempre tentando que eu entrasse na brincadeira... como é que eu podia resistir às criaturinhas, está para lá das minhas capacidades...
nunca pensei que algum dia as crianças, sem ser as com que trabalho, pudessem para mim ter primazia em relação a um jogo da selecção nacional numa fase final de um mundial!!! acho que é por isso que vou ao estádio da luz ver os jogos, mesmo que estejam crianças estão acompanhadas do pai e normalmente os próprios pais gritam mais impropérios que eu, não gritam mais que eu porque eu tenho a capacidade de quando estou perto de crianças gritar muito bem alto mas de forma construtiva, defeito profissional :)
estou sempre a descobrir coisas novas sobre mim!!!

terça-feira, junho 29, 2010

se não sabe porque é que pergunta?

... foi o primeiro livro do joão dos santos que li, pelo titulo achei piada, longe estava eu de saber o que ia aprender com este senhor, com quem trabalhou com ele e o que eu fui aprendendo no que respeita a sentimentos por perguntar!
as perguntas em si não são certas nem erradas, mas põe-nos a pensar nas coisas... podemos até ficar na mesma mas pelo menos pensámos sobre isso!
às vezes, perguntamos só para ter a certeza do que já sabemos ou do que sentimos, para nos (re)assegurarmos que é mesmo isto... mas, em última análise a decisão é, única e exclusivamente, nossa, pessoal e intransmissível...

música no coração...

ontem e hoje senti-me a maria, do música no coração... com as devidas diferenças!
não sou freira, nem quero ser, não estamos nas montanhas da aústria, não existe um capitão von trapp, felizmente também não há uma futura madrasta e sou aversa a apitos, acho que os miudos funcionam melhor a beijinhos ainda que uma vez ou outra tenha que lhes abrir os olhos e mandar 2 berros... pensava que não mas a paciência não se esgota de maneira tão rápida, temos é que recarregar baterias e voltar a tentar, respira, reavalia e nunca mas nunca perder a calma, mesmo quando se engrossa a voz... era assim que funcionava e as coisas corriam bem e eles gostavam de mim assim, sempre com resposta pronta... que me valeu muitas vezes "não vale a pena a teresa tem sempre resposta". algumas prelecção sobre o que quer que fosse e eles não interrompiam porque já sabiam que se o fizessem me ouviam pelo menos mais 10 min :D... e muitos, muitos sorrisos cada vez que lá vou e saudades de parte a parte... porque como costumo dizer o meu coração é uma pensão com muitos quartos, tem sempre espaço para mais um miudo, lembro-me de cada sorriso, de cada olhar. porque com cada um de maneiras diversas tive oportunidade de aprender a ser o como sou hoje como pessoa e como profissional...
... e fui arrancada para o mundo real porque os miudos são interessados em ver o jornal das 8 da manhã... teresa, teresa houve tiroteio na caparica, venha ver!!!
... desde que não seja no cacém e ... :D wathever! têm que se aguentar, são rijos, todos!

segunda-feira, junho 28, 2010

parque de campismo X hotel de 5*

e o resultado é um igual dou-me bem nos dois e consigo divertir-me da mesma maneira, interessa mais as pessoas que nos fazem companhia na ocasião!
porque o que eu gostava mesmo era de fazer campismo selvagem ou simplesmente dormir num saco cama debaixo das estrelas... isso sim seria uma nova experiência na minha vida, mas é perigoso :D
pensando melhor se o fizer no meu terraço, não é!!!

reparei que estou a apenas a 14 dias da minha primeira semana de férias...

bichos...

já consegui interromper a leitura logo no prefácio para partilhar... passo a citar:
"ora eu sou teu irmão, nasci quando tu nasceste, e prefiro chegar ao juízo final contigo ao lado, na paz de uma fraternidade de raiz, a ter de entrar lá tresmalhado como um lobo tresmalhado. ninguém é feliz sózinho, nem mesmo na eternidade. de resto, um conto que te agradou, tem algumas probabilidades de agradar aos teus netos. porque não hão-de eles tirar ninhos quando forem crianças? e, se tal não acontecer, paciência: ficarei um pouco triste, mas sempre junto de ti, firme na consolação simples e honrada de ter sido ao menos homem do meu tempo.
(...)
Teu
Miguel Torga"

instabilidades...

já está o primeiro livro chegou ao fim... tivesse eu começado à mais tempo e tinha poupado alguns dissabores! mas a vida nunca é como nós queremos, farto-em de o dizer para os outros mas continuo a acreditar que para mim pode ser simples e sem nós... uma verdadeira maçada!
enquanto o lia vieram-me à memória situações dos tempos de criança, situações da adolescência, situações da entrada da idade adulta, situações da vida profissional, da vida pessoal, uma mistura de sentimentos complicada mas esclarecedora a ver se não me esqueço!
vou voltar ao plano traçado, a seguir vinha o miguel torga, sugerido por papai há anos e anos atrás, já está comprado aliás foi no mesmo dia deste que findou, resolvi que não queria esperar que acabassem as férias da família, nem queria esperar pela altura em que finalmente vou voltar a decidir fazer uma visita a casa da família... eu sei que peco nisso por defeito, só lá vou quando estou mesmo a precisar, mai de resto, falar ao telefone é suficiente, provavelmente houve altura em que não o era, mas passou a ser, porque o que tem que ser tem muita força e isso aprendi logo aos 3 anos na verdade não me lembro e até agora pouco tenho ligado a essa lição, mas acho que fez de mim o que sou hoje! e sou especial e única... foi isso e o DNA...
... hoje vi o nascer do sol, fui andar, acabei o livro e ainda faltam 2.30h para a primeira actividade da agenda do dia, estou a ficar farta deste meu novo relógio biológico, mas ando muito mais eficaz, com mais tempo para fazer tudo o que gosto!!!

domingo, junho 27, 2010

paixão, segundo o dicionário, sofrer ou suportar uma situação dificil

há uns tempos já largos, que mais parecem infinitos... lembro-me de ter dito a propósito de alguém, em situação profissional, que as pessoas apaixonadas ficam parvas...
disse-o porque sou desbocada, porque gosto de descomplicar os discurso hermético dos psi e porque também eu gosto de cultivar a minha parvoíce, não só quando estou apaixonada, para que se isso acontecer... me apaixonar, não se note grande diferença!
e não nota mesmo... nem eu notei e estava!
engraçado já tinha passado tanto tempo desde a última paixão séria, que não percebi que era isso que me estava a acontecer... as minhas paixões antigas foram fortes no inicio duraram o tempo que duraram, acabaram por isto ou por aquilo sem levar a grande sítio! umas vezes por medo, outras porque não tinham que durar...
desta vez foi diferente sentia que teríamos todo o tempo do mundo, não havia razões para pressas e só na ausência compreendi que aquilo que sentia era o que chama estar apaixonada de forma madura, diferente de todas as outras vezes, daí não ter reconhecido o sentimento...
e agora?!?! piiiiiiiiiii... decidi desligar a respiração assistida às 23.08 do dia 27 de junho do ano de 2010, o desligar da máquina peca por tardio...
sempre ouvi dizer, o que não tem remédio, remediado está... que mania que eu tenho de ir contra a cultura popular

ora pois que foi um domingo retemperador junto do mar...

depois da passeata matinal ler, mais um bocadinho, lá me pus ao caminho, para perto do mar... em lisboa o sol brilhava e eu sabia que perto do mar não, parecia que estava a adivinhar já me tinha vestido de modo a não ir dar nem um mergulhinho... hoje não me apetecia ficar a torrar ao sol, a ler...
consegui chegar a horas apesar de ter apanhado na expo o final de qualquer coisa de bicicletas e da demora na bomba de gasolina, já não fazia aquela auto-estrada desde os tempos da marinha grande e está cheinha de obras, mas foi tranquilo o caminho e não me enganei nem uma vez, de bonús passei por uma bela localidade chamada benfica... chegada ao parque de estacionamento foi só esperar que viessem ao meu encontro, enquanto fazia a bela da actividade "vamos limpar o carro da teresa", desta vez sem a ajuda dos meus docinhos, assim com'ássim aproveitei o tempo...
depois foi ir para perto do mar que estava mesmo à medida dos meus desejos de hoje, revolto e com cheiro a maresia... saudades de um mar assim! o almoço foi bom, a conversa animada e não é que no final verifiquei que estava a dar o alemanha-inglaterra, finalmente ia ver um jogo do mundial completinho, sem interrupções, sem stress e ao pé do mar, mudámos de mesa e acabámos por ficar a ver, porque o mar não foge, não mente e tranquiliza-me, ainda mais quando está revolto... percebi que já há tempos que precisava de um passeio à beira mar, o antero passava ali férias e fez-me lembrar a minha pirulita, os açores, a ilha do pico a minha preferida quem já lá foi e me conhece, percebe e são jorge quando fomos até à fajã do santo cristo meio ao engano mas quando demos por nós já não era altura de voltar para trás sem atingir o objectivo, verdade sue :)
na volta o meu pensamento começou a fugir para o trabalho o actual, o ex, é muita pressão mas tenho que me aguentar e providencialmente verifiquei que tinha recebido uma mensagem da pessoa com quem precisava falar... e também queria ver o jogo da argentina completinho, já tinha conseguido ver um porque não ver 2, também não tenho que estar com muita atenção, mas queria ver como estava o di, já que tão depressa não o devo voltar a ver na luz!!!
despedi-me e parei à beira da estrada, mesmo na saída da localidade à espera do contacto combinado... depois de 45 minutos de conversa animada mesmo ali na beira da estrada... enquanto miúdos do outro lado da estrada atrás de uma sebe jogavam à bola animados... mandei um sms... e iniciei o regresso, logo perto ainda me pareceu ver uma figura conhecida naah, ilusão de óptica, certamente, além de que o capacete e o fardamento motard não ajudaram...
foram 50 minutinhos os que me separaram da minha casa e a velocidade de cruzeiro bem tranquilinha que é domingo e temos sempre que contar com os condutores de domingo à tarde... bem animadas aquelas bandas não é que havia feira dos santos. Afinal, não é só em évora que se comemora o s. pedro, já sabia que em sintra também e agora fiquei a conhecer outra localidade.
claro está que não vi o inicio do jogo, mas o meninos da argentina fizeram a fineza de começar a contagem só depois de eu estar tranquilamente instalada no sofá, são uns queridos parecem o meu benfiquinha, sempre a pensar em mim :D
felizmente há dias assim!!!

pois é, a minha parvoíce (no sentido vicentino do termo) continua em alta, já tinha saudades!!!

ontem...

comecei a ler dois livros que entraram directamente para o meu top livros que acabo de ler em 3 dias (como são 2 será em menos de 5 dias)...
de alguma maneira ambos me fazem sentido nesta fase da minha vida por razões completamente diversas mas que apesar de tudo se aproximam. durante a tarde comecei o "sem destino" sobre a segunda guerra mundial, os "campos de trabalho" narrado por um menino judeu, ainda só cheguei ao terceiro capítulo estou a gostar muito, já andava cá por casa perdido desde não me lembro quando, nem sei como é que cá veio parar. o outro que comecei depois de uma visita rápida à fnac por volta da hora do jantar chama-se guerra é guerra, fala sobre um(ns) português(es) no iraque e já vou no 7º capítulo. comprei pela segunda segunda vez, porque como é comum em mim, às vezes, quando sei que não tenho tempo empresto os livros antes de os ler e este que foi comprado na altura da feira do livro, foi logo emprestado a um dos meus novos meninos que quer ser polícia quando for grande!
este segundo ainda a meio já me fez lembrar de pessoas tão diversas como a sue, os meus miúdos do cacém, alguém que me ligou na altura em que o ia (re)comprar, o meu pai, a minha mãe e eu mesma, acho que é por isso que já leva um avanço grande, sobre o que comecei primeiro é que eu não tinha nascido na altura da 2ª guerra mundial, não me é tão familiar!!!

... e sim hoje já houve passeio matinal encontrei o teu pai clau!

bom dia alegria!!!

sábado, junho 26, 2010

já estou mais cansada... e contente

acabei de chegar da minha nova actividade matinal, a casa continua um caos, parece que ainda está pior que quando comecei nas arrumações!
olha que andar aqui pelo bairro encerra em si mesmo um manancial de surpresas...
- descobri que há cobras por aqui, só vi 1 mais ou menos 30 cm e eu a pensar que esse animal aqui em lisboa era exclusivo do jardim zoológico!
- no fim da primeira volta, passei no sr cardoso só para dizer que já voltava e dar beijinhos a ele e à d. lurdes
- encontrei uma miuda perdida que queria achar a feira da ladra, lá lhe indiquei o caminho
- cruzei-me com o presidente da junta quando regressava ao sr cardoso
- voltei ao sr cardoso para ler o jornal, ao sábado de manhã está tudo calmo, mas o jornal estava ocupado, por alguém que não conhecia e que estava com ar de quem ia demorar, como não conhecia não pedi para mo dar depois de terminar, tive que me remediar com o record... o desconhecido ainda tentou interromper a minha conversa com o sr cardoso, sobre as cobras em lisboa com um "este é que é inteligente, usava a mãe e a sogra para vender droga! este país não tem emenda...", "deixe estar assim só se estraga uma casa encontram-se todos na prisão é uma questão de economia!" e continuei a falar com o sr cardoso sobre o nosso benfica e a nossa selecção, "ainda tentou interromper outra vez"que hino é que o pepe terá cantado o português ou o brasileiro?", "deve ter cantado os 2, o scolari ensinou-o a ele e ao bruno alves!", o que eu gosto do bruno alves, mas o jovem que me estava a ocupar o jornal não tem que saber, o que é facto é que se calou e permitiu que a minha conversa com o sr cardoso continuasse... além disso neste momento quero é que a nossa selecção ganhe à espanha com ou sem brasileiros, têm BI querem jogar na selecção, empenham-se, trabalham, esforçam-se para envergar e honrar a camisola das quinas então?!? mas o que eu queria era falar com o sr. cardoso hoje que dava, porque ainda estava pouca gente ou então ler o jornal e o jovem estava a ocupar o jornal! desisti, o jovem ainda ia a meio do jornal e o correio da manhã não é assim tão interessante... já lá volto, mas com a minha sorte, de certeza que desta vez vai estar lá uma velhinha a alugar o mesmo jornal!!!
quando quero consigo ser bastante desagradável :D
acho que é por isso que gosto de viver neste bairro, tenho o melhor de 2 mundos, a familiaridade com as pessoas que conheci por cá e que adoptei para família alargada e o anonimato porque não nasci cá e mesmo que queiram não deixo que os autócones (o jovem não era destes mas tb não deixo) se metam nas minhas conversas!!!

don't let anything get you down...

... ontem cheguei e tinha este conselho virtual à minha espera... vindo de alguém que não conheço, mas fez sentido, há coisas assim!
mas não está fácil, nada fácil mesmo, no trabalho, os silêncios, ter que levantar a voz para impôr respeito, coisa que agrada pouco, mas olha que resultou, bem, mas bem, "chiaram fininho", não poder ver o jogo de portugal porque as obrigações estão primeiro, para mim sempre esteve primeiro quem representa o meu país, quando muito via com a parte da equipa de trabalho que estava interessada na bola, na verdade nem costumava estar a trabalhar e fazia estágio e sofria por antecipação e ficava à frente da televisão ou estava a caminho do estádio, via o aquecimento e o hino e tudo mais faz-me falta o hino... contra a Espanha vai dar, terça-feira às 19.30 vou estar colada à televisão, alapada no sofá e vamos ganhar, ai de vocês que me façam a desfeita... eu não mereço!
noutro departamento, nem sei bem como o catalogar sinto-me como se tivesse um paciente ligado à máquina, de vez em quando até parece conseguir respirar sozinho, mas depois vem o silêncio... sinto-me um médico com dúvidas éticas em relação à eutanásia, fiz o juramento de Hipócrates e sou pela vida a cima de tudo... só queria que acordasses e me dissesses se desligo ou não!
como não acorda (o paciente) a dúvida é minha, está na minha mão, desligar o interruptor e acabar o sofrimento, mas é tão difícil... decidir sozinha! estas decisões deviam ser sempre, mas sempre partilhadas...
que tormento!
posto isto vou andar... ajuda de certeza, estar aqui parada a pensar em assassinar um sentimento, a jogar joguinhos cujos os objectivos já estão alcançados ou à espera de algo que não vai chegar é que não vai servir de nada!!!

sexta-feira, junho 25, 2010

a previsibilidade...

... irrita-me, durante esta semana não me estava a reconhecer, estava demasiado, nos carris, isto mais, isto, agora aquilo, com pouca margem para o improviso, no trabalho, na vida (valha- me a escrita e o pensamento que esse é livre e deixo-o andar solto pelo meu mundo) mas entretanto lá abri espaço para deixar entrar as conversas de última hora, o passei só para dar um beijinho, não me apetece jantar de anos, nem jantar do mês apetece-me mesmo é estar com a minha amigas...
- ontem descobri umas escadas íngremes , no "circuito de manutenção" aqui do bairro, foi só começar a volta do avesso, há anos que elas ali estão e nunca tinha dado por elas,
- passei a manhã no jardim da gulbenkian com um menino que gosta de apanhar carpas e tem alguma dificuldade em estar em sítios coloridos e com puff's, voltamos a pé para economizar e por castigo, andar faz bem ao corpo e à alma...
- quase deixei desenterrar um um morto, mas um percurso automobilístico opera maravilha sem mim, no final voltei a ligar só para dizer, que me tinha enganado e que não fazia sentido nenhum e tive o prazer de ouvir "eu também estava só a ser educado!" olha que depois de 8 meses sem qualquer contacto, tendo sido eu a acabar com os mesmo, esta resposta foi no mínimo divertida...
- fiquei na palheta depois do horário até a sandrinha ligar como se tivesse adivinhado que ainda estava nas bandas de sintra e nos encontrarmos no mac donald's para tomar chá!!!

nota: divertido foi a miúda ter dito "chá, não sei fazer chá, nem sei se aqui há chá, nunca vendi nenhum chá aqui!", mas lá pediu apoio e nos fizeram o chá... "sempre a aprender, olha para o que havia de estar guardada aparecerem aqui duas moças a esta hora para tomar chá!" e sorrimos as 3, eu e a sandrinha somos Professoras e a mocita era uma querida...

- fomos expulsas do mac donald's e depois do parque de estacionamento, muita conversa para pôr em dia...

... a previsibilidade irrita-me e a única coisa previsível no dia de ontem foi mesmo não ter recebido resposta às mensagens que Te mandei!

hoje o meu objectivo é conseguir ver pela primeira vez o jogo de Portugal inteirinho com todos os miúdos que estiverem em casa, é a actividade do dia!!!

quarta-feira, junho 23, 2010

Ser feliz ou ter razão?



Oito da noite, numa avenida movimentada. O casal já está atrasado para jantar na casa de uns amigos. O endereço é novo e ela consultou no mapa antes de sair. Ele conduz o carro. Ela orienta e pede para que vire, na próxima rua, à esquerda. Ele tem certeza de que é à direita.
Discutem. Percebendo que além de atrasados, poderiam ficar mal-humorados, ela deixa que ele decida. Ele vira à direita e percebe, então, que estava errado.. Embora com dificuldade, admite que insistiu no caminho errado, enquanto faz o retorno. Ela sorri e diz que não há nenhum problema se chegarem alguns minutos atrasados. Mas ele ainda quer saber: - Se tinhas tanta certeza de que eu estava indo pelo caminho errado, devias ter insistido um pouco mais... E ela diz: - Entre ter razão e ser feliz, prefiro ser feliz. Estávamos à beira de uma discussão, se eu insistisse mais, teríamos estragado a noite!


às vezes dos 1001 mail's que recebo e não abro aparece um ou outro que me capta a atenção, pelo título ou pelo remetente, este resolvi partilhar!!!

hum...

... hoje não está fácil encontrar alternativas viáveis para ocupar o tempo... já fiz o que é costume, tentei adiantar trabalho, mas como estou dependente de outros, não deu... ninguém atende o telefone, também não retornam a chamada... a sorte é que nestes dias o benfica e o pai não falham!!! renovação do cativo na luz :D

terça-feira, junho 22, 2010

portugal - koreia

vi o jogo em 3 partes...
1º 10 minutos no carro a ouvir e graças a deus nem um golinho, nessa altura, subi a avenida dos bons amigos e encontrei 2 caras conhecidas o "meu filho" e um amigo. as saudades que eu tinha deles, mas foi cumprimentar de longe e correr "vou ver o jogo à esplanada, tinha saudades vossas, beijinhos aos manos!", tinha combinado com as minhas colegas e lá fui.
cheguei e ainda não estava ninguém mas como sou ocupa e estava gente conhecida sentei-me... na verdade estavam imensos miúdos da escola, alguns professores, os empregados de sempre e umas pessoas meio esquisitas mas o que é que eu queria, a "esplanada" fica no cacém!
depois foi começar a chegar as pessoas com quem eu tinha combinado, as professoras, comer uma sopa a correr devidamente acompanhada por um sumo de laranja natural, porque a nossa selecção e o benfica fazem-me perder a fome. o "meu filho" ligou à minha colega a perguntar se podia ir lá ter (muito educadinho este "meu filho", só vai aos sítios se for convidado e o facto é que eu não o convidei). já de pé tive tempo para comemorar 3 golos, pagar o meu almoço e o do "meu filho" que foi... Bitoque! despedir-me e sair a correr para ir trabalhar! ainda não tinha chegado ao carro marcaram o 4º... mais 15 minutos e estava no local de trabalho. mas nem me deixaram respirar eu a querer ver os últimos 30 minutos do jogo e "aconteceu isto e isto e isto como é que vai resolver!". pensei para mim bolas o jogo já foi mas a vantagem já é larga valha-me isso... logo fui pensar de que maneira é que ia resolver enquanto os miúdos vibravam "teresa agora foi o liedson" e eu respondia "hoje todos ficam contente, já foi o raul meireles, já foi o simãozinho e o tiago, agora o liedson, hoje não há ninguém que se vá poder queixar!" queixo-me eu que não consegui ver o jogo em paz...
e continuo a achar que o carlos queiroz andou demasiado tempo em Inglaterra, lá com o sir fergunson e nisso perdeu muito da essência do que é Ser Português! temos pena...

este cris é igual a si próprio...

"os golos são como o ketchup"?!?!?
o que é ele queria dizer com isto, os golos são como o ketchup, espirram e sujam tudo à volta?
vá-se lá entender a cabecita do moço. esta está ao nível de "prognósticos só no fim do jogo", ou de "paulo sousa considera-se duro ou viril? sim"... não tenhais medo temos jogador!

ontem...

parecia que me tinha esquecido de algo importante para mim no meu mapa dos afectos, num flash hoje lembrei-me :D. está tudo cá, mas às vezes a memória fica turva!

segunda-feira, junho 21, 2010

pois é, hoje é dia do solesticio...

de verão, um dia mágico... logo hoje portugal ganha...
o anoitecer foi passado com uma amiga do coração e fartei-me de descobrir coisas...
- há pessoas que fazem implantes de pestanas, lucky me que não preciso e assim poupo imenso dinheiro (na verdade acho que mesmo que achasse que precisava não faria tal coisa)
- tenho um ex- colega de trabalho cuja mãe é maquilhadora de... cadáveres, de facto quando se trabalha com uma pessoa só se fica a saber coisas deste tipo se tivermos curiosidade e perguntarmos :D, mas isto explicou muita coisa...
- o antónio sala, que tem um bigode como o meu pai (isso eu sabia) também fez a promessa de o cortar quando o benfica fosse campeão europeu e acho que também tem a secreta esperança de falecer antes que isso aconteça que aqueles bigodes são imagem de marca... já não se fazem bigodes como antigamente!
- que o mesmo senhor é fã da toyota, tal como era o meu tio... provavelmente porque são carros japoneses e esses senhores podem ser pequeninos e ter os olhos em bico mas são bons em tecnologia e os carros são tão jeitosinhos!
- que com amigas como as minhas nunca, mas nunca estou sózinha, ainda que às vezes me pareça que sim!

segundo a wikipédia hoje também é:
e desta vez não sou eu que estou a inventar!!!

alteração de verão...

ficou com ar de primavera, campestre... um bocado verde... azul e uns laivos laranja, como não podia deixar de ser... logo se vê até quando vou guardar o fundo bucólico e... verde!

PS. nana surpreendi-te???

domingo, junho 20, 2010

e do outro lado do mundo...

... chegou um contacto que para variar surpreendeu... andava eu às voltas, qual tigre enjaulado a inventar como passar o tempo, uma vez que tinha dormido tudo durante a noite... e a seguir ao almoço, à espera de várias coisas que teimavam em não acontecer... já tinha jogado todos os joguinhos do facebook, escrito, lido o jornal, tentado ler um livro... e eis senão quando a S. aparece on-line... duas alentejanas em lisboa que se cruzaram por acaso porque havia amiga/os comuns.
eu - vamos tomar um chá?
ela - estou nos states, america profunda...
eu - em trabalho ou em visita?
ela - em trabalho até outubro...
e depois foi um pôr a conversa em dia e para variar encontrar coincidências nos caminhos que fomos cruzando enquanto estivemos as duas em lisboa, cheias de trabalho e por isso não nos falávamos desde janeiro... altura em que ela defendeu a tese de doutoramento!
tenho amigas mesmo muito inteligentes... tudo escolhidinho a dedo, para haver conversas interessantes sobre... as dificuldades da vida, as dificuldades de ser mulher, da província na metrópole que é lisboa :D

mais uma vez o facebook...

acho que é desta que vou ler o miguel torga e o eugénio de andrade... são dois dos autores preferidos do meu pai e nunca tinha percebido porquê, se calhar porque quando ele sugeriu que os lê-se eu achei que devia ser coisa de velho... de pai! o miguel mais que o eugénio, acho que é por causa do seminário... além disso acabo de perceber que nasceu para os lados do professor coimbra, a wikipédia tem destas coisas, ajuda-nos a entender a geografia de portugal e a dos afectos, na segunda acho que me safo melhor que na primeira... os livros estão cá por casa só tenho que os encontrar que o meu pai não desiste assim às primeiras, sugere, insiste, diz que há lá em casa, porque sabe que mais tarde ou mais cedo eu lhes vou pegar, assim como quem não quer a coisa... só tem é que fazer sentido e agora parece que faz ou não! mas pelo menos aumento a minha cultura literária!!!
a agitação por estas bandas tem sido muita depois de chegar a casa ele foi ruído de sirenes, de helicópteros...
é o que dá morar perto de um cemitério onde por vezes, são poucas, se diz o último adeus a pessoas que têm direito a honras de estado...
o cemitério preferido para estas honras é o dos prazeres e ainda bem senão o terraço tranquilo , transforma-se!!!
tenho quase a certeza que o senhor se pudesse ter escolhido tinha dispensado o Carnaval e as honras, se foi viver para lanzarote foi porque provavelmente gostava de descanso e pouca turbulência, penso que lhe terá chegado aquela a que foi "obrigado" antes de 1974!!!
pode finalmente descansar em paz, senhor saramago!

as coisas que ando a descobrir devido ao meu novo horário biológico...

adormeci no sofá, nem sei bem a que horas, mas era cedo, com o pc em equilíbrio instável e a televisão ligada e quando na madrugada acordei o pc continuava no mesmo sítio, mudei do sofá para a cama ainda meio a dormir mas o meu cérebro avisou-me que bom bom era desligar as duas coisas e assim foi... depois continuei a dormir e acordei às 8 h o meu relógio biológico hoje acertou-se para o horário de domingo :D
fui andar, desta vez com objectivo comprar o jornal, o despertador tocou mesmo quando estava a comprá-lo...
reparei que ao domingo de manhã há pouca gente na rua, passam poucos carros mas os que passam é a grande velocidade, verdade há quem trabalhe nestes dias e por isso se sinta atrasado, cruzei-me com um pai e duas crianças, mais à frente um senhor fardado chegava com motorista, esse não devia estar atrasado... os motoristas nunca se atrasam e continuei até casa dando a volta maior, não sei quanto tempo demorei mas cumpri o objectivo... comprar o jornal e andar! faz-me espécie fazer coisas sem objectivos práticos, andar só por andar, correr só por correr. como agora descobri que andar faz o mesmo efeito que o ginásio e saí muito mais barato, ou seja, se me cansar de o fazer como é meu costume, (não tenho paciência para ir ao ginásio) vai sair-me muito mais barato, mas pode ser que não me canse uma vez que tenho objectivos intermédios...

sábado, junho 19, 2010

...

ainda bem que fui andar aqui no bairro hoje de manhã, senão não tinha aguentado o meu voluntariado... dado que andei cerca de 1.30 à volta à procura do sujeito por quem me voluntario, era mesmo o tempo que iria estar com ele, descontando o almoço... primeiro logo lá perto e depois fui alargando a volta em espiral tentando pensar como ele mas ainda não o conheço o suficiente...
claro que no fim da primeira volta fui abordada por um cidadão que saía de uma igreja para distribuir jornais e que me achou com ar de quem precisava de um Deus para guiar os meus passos até estava tranquila, mas as pessoas com ar tranquilo ao sábado de manhã e que andam com passo acelerado, ficam com ar de quem precisa de um guia espiritual! lá tive que dizer ao senhor que não estava interessada e que não queria o jornal ainda que fosse grátis... continuei a minha busca e mais à frente cruzei-me com uma cigana, que me achou com ar de quem precisava de uns óculos novos, dado que hoje não tinha nenhuns na cara, agradeci-lhe e disse que não precisava mas como qualquer boa cigana disse-me "mas tem medo da cigana?" disse-lhe que não, só não precisava de nenhuns óculos, nem de carteira, nem de malas, precisava era de encontrar um miúdo... "é seu filho" não é apenas um miúdo com quem trabalho, "ainda tentou "estou a ver que está sem sorte, precisa..." de encontrar o miúdo agora é mesmo isso que eu preciso, desistiu, (sou boa a fazer desistir os ciganos de me tentar dar a volta, basta tratá-los com respeito e falar de igual para igual :)) "não se preocupe vai encontrá-lo" e continuei... já quase no fim da volta que tinha decidido que era a última encontrei outros 2, reconheci-lhe o recorte mesmo de costas e fiquei contente e corri um bocadinho "vão para casa, isto é coisa que se faça, mas antes quero um beijinho", "não me toque, não dou beijinhos eu não gosto de si, não gosto de ninguém" disse-me um deles sem conseguir conter o sorriso meio aberto, "não faz mal, eu gosto de ti, mas porque é que me estás a dizer isso sem fazer cara feia, assim não me vais convencer", "nós estávamos a ir para casa, não acha?", "sim eu sei disso, mas como estava à procura de alguém e vos encontrei a vocês fiquei mais contente!"... e a caminho da casa encontrei outra pessoa que não devia estar lá mas já me é muito próxima e fomos tomar café porque é sempre bom encontrar amigos ao sábado de manhã por acaso e tomámos um café rápido... depois fomos para cima, escrevi mais umas coisinhas no bilhetinho que deixei. dei beijinhos e vim embora. ficou feita a sessão... quando cheguei cá abaixo ainda troquei umas palavras com mais um miúdo conhecido e tive que acabar com a argumentação com um "olha faz o que quiseres mas eu acho que devias ir desinfectar essas feridas e ouvir o que têm para te dizer, claro que se preocupam, és um cromo, mas eu tenho que me ir embora!"... as saudades que eu tenho de fazer isto no meu antigo trabalho e dizer 1001 vezes a mesma coisa todos os dias, para ver se lá ficava e todos os dias parecia que não ficava nada, nadinha... mas fica eles é que gostam de fingir que não!!!

ainda tenho as marcas dos tiros que levei quando fui jogar paint ball e já passou mais de um mês, a minha sorte é que uso normalmente calças, senão a quem visse de longe podia parecer que fui vitima de violência doméstica... 3 pontapés nas pernas e um agarrão no braço... eu sempre disse que aquilo não foi feito para mim, pois que é divertido sim senhor, mas é muito violento e doí :D

quinta-feira, junho 17, 2010

...

... apesar de todas as contrariedades de ontem e algumas de hoje...
as noticias, os telefonemas, a visitas de estudo os telefonemas, preparar uma actividade, telefonar, visita/trabalho à casa da praia, falar ao telefone, ver como ficava o fato do baile de finalistas, os sms's, contactar telefonicamente, chatear-me com a empresa da assistência em viagem pela incompetência, via telefone,entre outras coisas...
o último contacto telefónico do dia foi surpreendente mas muito bem-vindo... (e fiquei mais feliz)

o dia correu bem...

quase sem querer...

quarta-feira, junho 16, 2010

hoje descobri...

que fui profundamente injusta com um dos meus ex-miúdos, os meus miúdos para mim são sempre meus nunca passam à categoria de ex... desconfiei dele porque tudo apontava para que eu tivesse razão, mas não tinha, estava profundamente enganada! comigo ele nunca falhou, falhei eu! já lhe pedi desculpa por escrito porque ele quando percebeu que era eu... desligou o telefone! fiquei ao mesmo tempo feliz por ter descoberto que errei, afinal fiz bem em todo o tempo ter confiado nele e profundamente triste por ter sido tão injusta com quem confiou em mim tanto!!! todos erramos e eu sei que erro e muito, mas como sempre lhes disse para ser Homem o importante é reconhecer o erro, assumi-lo e tentar remediá-lo o melhor possível... já reconheci, já assumi agora tenho que encontrar a maneira de conseguir o mais difícil...

o tempo não estica...

mas se soubermos o que fazer com ele é bem elástico...
um grande bem haja às novas tecnologias que nem de longe nem de perto conseguem substituir as velhas muito mais baratas e mais eficazes...
- prefiro uma conversa no café por um conversa no chat mas à falta de melhor e conhecendo bem a pessoa a coisa faz-se, esperando sempre a próxima vez que nos vamos encontrar!
- não troco uma conversa telefónica por um encontro, mas ao telefone sempre dá para dizer "ainda bem que ligaste ontem lembrei-me de ti e tu ligas hoje, "vens cá ritinha, então ficas na minha casa assim encontramo-nos de certeza mesmo que não consigamos ter tempo para almoçar!"
- prefiro um toque pele com pele a um sms, mas não havendo outra possibilidade
- prefiro uma carta a um e-mail, mas agora já não se usa pedir a morada para mandar postais
- prefiro uma fotografia a um postal, na verdade prefiro que tenha mesmo sido eu a tirar a fotografia
- prefiro dizer, contar, explicar olho no olho
- prefiro o papel ao ecran do pc (esta ninguém diria)
- prefiro conversar a escrever relatórios
- prefiro as estradas secundárias às auto-estradas
- prefiro as curvas às rectas (apesar de ser alentejana, a maior parte das minhas costelas são serranas)
- prefiro andar a correr
- entre o rio e o mar o meu coração balança, desde que não tenha gente a mais
- prefiro a adraga às praias da costa
- prefiro góis a vilamoura, mas se me falarem dos alteirinhos já fico baralhada
- prefiro água fria e mar com ondas, ao mar de albufeira, como é que se pode ficar horas e horas no mar até a pele engelhar se não houver ondas
- prefiro comprar o bilhete de avião aos pacotes turísticos
- prefiro os mapas ao GPS, até porque quando vou de GPS acabo sempre por parar e perguntar o caminho a quem sabe
- prefiro conhecer pessoas a pessoas conhecidas
- prefiro as coincidências às coisas preparadas
- prefiro pedir informações a levar guias turísticos (embora isso possa poupar imenso trabalho, facto é que numa viagem normalmente o guia só me faz peso na mala, nada como pedir um mapinha à chegada)
- gosto da canseira de andar perdida se tiver tempo para isso
- prefiro uma boa discussão daquelas em que se diz tudo, se argumenta, com respeito em que as coisas ficam esclarecidas, a um evitar de conversar só porque pode correr mal
- prefiro errar e assumir a fazer tudo certinho e imaculado
- prefiro não ser perfeita
- prefiro escrever as palavras sem abreviaturas, sem K e sem X
- prefiro não dar as coisas como certas e lutar por elas sempre a que me venha tudo de mão beijada (até porque isso raramente acontece)
- prefiro aproveitar as oportunidades a desperdiça-las
- prefiro não me acomodar
- prefiro uma boa história, à descrição dos factos, deve ser por isso que escolhi ser psicóloga em detrimento da bióloga marinha
- prefiro a agressividade à falsidade
- a frontalidade ao evitamento
...
acho que nasci depois do tempo


PS agora prefiro ir trabalhar senão chego atrasada

fui...

terça-feira, junho 15, 2010

ricardo reis

Vem sentar-te comigo Lídia, à beira do rio.
Sossegadamente fitemos o seu curso e aprendamos
Que a vida passa, e não estamos de mãos enlaçadas.
(Enlacemos as mãos.)

Depois pensemos, crianças adultas, que a vida
Passa e não fica, nada deixa e nunca regressa,
Vai para um mar muito longe, para ao pé do Fado,
Mais longe que os deuses.

Desenlacemos as mãos, porque não vale a pena cansarmo-nos.
Quer gozemos, quer não gozemos, passamos como o rio.
Mais vale saber passar silenciosamente
E sem desassossegos grandes.

Sem amores, nem ódios, nem paixões que levantam a voz,
Nem invejas que dão movimento demais aos olhos,
Nem cuidados, porque se os tivesse o rio sempre correria,
E sempre iria ter ao mar.

Amemo-nos tranquilamente, pensando que podíamos,
Se quiséssemos, trocar beijos e abraços e carícias,
Mas que mais vale estarmos sentados ao pé um do outro
Ouvindo correr o rio e vendo-o.

Colhamos flores, pega tu nelas e deixa-as
No colo, e que o seu perfume suavize o momento -
Este momento em que sossegadamente não cremos em nada,
Pagãos inocentes da decadência.

Ao menos, se for sombra antes, lembrar-te-ás de mim depois
Sem que a minha lembrança te arda ou te fira ou te mova,
Porque nunca enlaçamos as mãos, nem nos beijamos
Nem fomos mais do que crianças.

E se antes do que eu levares o o bolo ao barqueiro sombrio,
Eu nada terei que sofrer ao lembrar-me de ti.
Ser-me-ás suave à memória lembrando-te assim - à beira-rio,
Pagã triste e com flores no regaço.

domingo, junho 13, 2010

voltei, voltei...

e vim de taxi...
estava tudo a correr tão bem que tinha que haver algum imprevisto para alterar o funcionamento do dia de ontem...
arrancámos, no carro da minha mana que é a gasóleo logo mais económico, depois da sandrinha ter ido ao cabeleireiro do meu bairro para não perdermos mais tempo no caminho!
saimos eram 2 da tarde, e até à IP4 que segundo eu tinha visto era o caminho mais perto para vila real tudo correu bem, era só encontrar a saída que dizia... hum tinha-me esquecido mas era antes de vila real, assim bastava confirmar com as restantes mocitas que já tinham ido para cima e foi aí que o caso ficou mal parado eu sou moça para gostar de me guiar por mapas e perguntar ao transeunte como se vai ter não sei onde, elas são moças de GPS, eu sou moça para gostar de conduzir na serra, elas são moças para preferir a auto-estrada... logo eu sou moça para ir pela IP4 elas pela A24 e as saídas claro que não correspondem, depois de falar pelo telefone fomos andando até vila real à procura de uma saída que dissesse valdigem/armamar e nada, quando chegamos à entrada da A24, uma vez que já havia indicações a dizer mirandela e eu ia jurar que vila real nada tinha a ver com mirandela (a minha geografia de portugal é péssima) resolvemos telefonar e dissemos que estávamos no IP4 e se essa saída era antes ou depois de santa marta de penaguião/régua, responderam-nos que ficava entre lamego e régua, ora que eu ia jurar que não tinha visto nenhuma saída a dizer lamego, mas como podia estar distraída voltamos para trás, curvas e mais curvas e nada de chegar a lamego, daí a pouquinho estaríamos em amarante... encostamos num sítio com espaço que naquela estrada não é fácil de encontrar e voltamos a telefonar, estamos no IP4 e não encontramos nenhuma saída a dizer valdigem/armamar, nada, nadinha e respondem-nos é na A24 em direcção a viseu... viseu?!?!? mas qual viseu ainda ninguém me tinha falado de viseu, nessa estrada estavamos nós quando ligamos a primeira vez... respira fundo e encontra um sítio para inverter o sentido da marcha, estava tudo a correr tão bem e assim como quem não quer a coisa estivemos 1h às voltas na IP4... a paisagem é bem bonita mas nós queríamos era chegar à boda e vestir o traje de gala, mas antes às voltas na ip4 que na auto-estrada :D
mas claro que a lei de murphy actuou ao seu melhor nível e já na direcção certa, cada vez que carregava no acelerador o carro fazia um barulho esquisito, melhor ir mais devagar e não carregar no acelerador, quando chegarmos logo se vê...
chegámos e os noivos já tinham casado por isso foi mudar de roupa na casa de banho e ir tirar a foto da praxe para mais tarde recordar... e não querem lá ver que reconheci uma cara levemente familiar, o ajudante do fotografo era de santarém, irmão de um colega meu que faleceu quando éramos adolescentes... ok!
depois foram os cumprimentos aos noivos e os de ocasião, não conhecia assim tanta gente e sentar para jantar... a vista era fabulosa! lá para a meia noite começar a dançar e ao fim de 3 músicas tirar os sapatos que nem sei como aguentei durante 6 horinhas seguidas, estou crescida e trocá-los pela bela da havaiana!
com os convidados bem bebidos mas a manter a classe e eu com a certeza que não levava o carro uma vez que não queria arriscar que o carro ficasse a meio daquelas curvas vertiginosas mas tão boas de se fazer não fosse o carro de não saber de onde vinha o barulho esquisito, resolvi continuar a beber uma vez que nessa noite não conduzia... chegou a aguardada hora do bouquet e não querem lá ver que veio disparado e passou entre mim e a sandrinha e aterrou em cima da mesa, porque as duas estávamos distraídas, alguém com pressa de casar foi apanhá-lo e nós para não variar... rimos... entretanto as amigas quiseram ir embora e a noiva assegurou-me que não tinha que me preocupar dado que tinha lugar para mim e como iamos ficar no mesmo hotel não havia questão nenhuma e fiquei a dançar sem parar, ao pé da moças da despedida de solteira, foi muito divertido, porque no norte sabem fazer a festa e são atenciosos, hospitaleiros e divertidos, assim sendo ouvi os piropos da praxe... "és mesmo bonita, se eu não tivesse namorada não me escapavas" e eu sorria e dizia "confia em mim, escapava", "mas tens namorado?", disse umas vezes que sim outras que não, mas com aquele grau de sangue no álcool nem se apercebiam e não fez mal nenhum que outras características particulares das gentes que conheço do norte são a boa disposição e o respeito.
e a festa durou até o sol nascer e mais um bocadinho... na hora de ir embora, não havia chave do carro do noivo nem lugar para o casal recém casado e para mim... ora que não há problema o carro faz barulho mas vamos tentar chegar a lamego sem stress... e de facto não houve fomos devagarinho, felizmente tinha parado de beber umas 2 horas antes!
entre o carro e a cama foi um tirinho...
e às 10 fui acordada pelos raios de sol que passavam pela janela directos à minha cara, porque tinham aberto a cortina para ninguém acordar sobressaltado, (bolas, não era suposto lamego ser frio e chuvoso) mais um barulhinho de fundo das conversas das colegas/amigas e desisti fui tomar banho e o pequeno almoço depois de ter dito que queria dormir e depois tomava o pequeno almoço no café mais próximo.
a seguir lembrei-me que talvez para variar devesse resolver a questão do carro logo às 11 da manhã não fosse algo correr mal e enquanto procurava um café aberto para comprar tabaco (consegui porque perguntei a um senhor que estava à janela depois de já ter encontrado 2 encerrados ao domingo) lá falei com a senhora da assistência em viagem que para não variar foi uma ursa e veio o reboque, depois falei com o meu pai é sempre a ele que recorro nestas alturas... por coincidência o moço do reboque tinha parado ao pé do café para pedir indicações e ligar-me e assim sendo falei logo com ele... e ele disse pode ir comprar tabaco que me dava boleia até ao hotel... a caminho surpreendeu-me dizendo que era de lisboa, estranhei porque o sotaque fazia suspeitar que nunca tinha saído daquelas bandas, lá me explicou. pedi-lhe que visse o carro uma vez que queria seguir viagem no carrinho que tinha trazido para passar em casa do meu irmão e visitar a sobrinha linda e ele disse não tem problema o carro pode fazer a viagem, é só o rolamento mas vai ouvir o barulho o tempo todo o que é um pouco incomodativo, além que quando o carro aquecer será um pouco mais alto... optei por não o fazer... como muita pena minha e sem poder ligar ao pai outra vez para ele me dizer o que faria nesta situação dado que estava na missa!!!
claro que tirei tudo do carro, menos o porta-fatos e só dei por falta dele quando estava a arrumar as coisas no quarto, isto é passados 10 min, "nana, preciso da tua ajuda, podes ir comigo buscar o porta fatos aos senhor?" liguei ao senhor que me disse que o carro estava a 10 min e assim que chegasse à localidade não havia erro era dirigir-me à casa lilás :D e disse no caminho fui dizendo à nana que o senhor do reboque com tatuagem dos paraquedistas que tinha nascido em lisboa e com pronuncia do norte cerradissima, me tinha dito que não havia margem para erro assim que chegássemos veríamos a casa lilás, não valia a pena por o gps, mas ela insistiu e comentou que o senhor do reboque era surpreendentemente sensível, referir-se a uma casa como lilás era estranho numa pessoa com a descrição que eu tinha feito, eu estava certa que havia outra explicação e assim que avistámos a casa percebi que tinha razão o senhor era mesmo muito pragmático, não era sensibilidade!
eram 13 horas, estava resolvido só ficava a faltar ligar às queridas da assistência em viagem para mandar o taxi 1 hora antes de querer sair e a partida estava prevista para as 3 da tarde... lá fui dar um mergulhinho na piscina, aproveitar a vista pela qual me apaixonei, mandar um sms que para não variar muito não teve resposta (gostava tanto que tivesse tido é que a vista era mesmo bonita, mas a da serra da lousã, a da terra dos meus avós também é, embora com uma paisagem um pouco menos arrumadinha, mas naquele momento queria mais que tudo que a resposta tivesse vindo, não pela tanto pela vista) providencialmente veio o telefonema do meu pai.
acompanhei as meninas no almoço dado que fome eu não tinha liguei às meninas da assistência, pelo menos desta vez o sistema não estava em baixo, sugiro que encontrem um novo gestor informático.
e o sr do taxi chegou mesmo quando acabamos o almoço foi só ir buscar as malas e zarpar para santarém onde estava o meu popó (esse nunca me deixa ficar mal, é que eu mentalizei-o que ele é um todo terreno e ele acredita mesmo).
por incrível que pareça a viagem foi divertida, as conversas são como as cerejas e fui o caminho todo a falar e a ouvir sobre temas tão diversos como politica local, politica nacional, futebol, desportivismo, machismo, racismo, história de portugal e de lamego, sugestões turísticas, quando vier não vá só até ao pinhão, vá até ao pocinho, que é ainda mais bonito, tradições portuguesas, trás-os-montes, alentejo, o benfica, o porto, tennis, ciclismo, évora, diferenças entre o interior e o litoral, entidades que funcionam bem, outras que funcionam tão mal, os self made men deste país, as mulheres e homens de fibra de transmontanos (o professor coimbra é da galafura)... todo aquele cenário não me era desconhecido, já tinha lido nos livros dele e o tinha ouvido falar da terra dele nas aulas, com uma paixão que reconheci de imediato assim que lá cheguei, embora só hoje o sr. taxista me tivesse confirmado que era mesmo dali que ele era... não sei se já vos tinha dito mas a mulher dele chama-se teresa mota, embora não seja da minha família... sei isso porque ele o contou numa entrevista a um jornal :)
a viagem pareceu rápida, pelo menos para mim passou-se muito bem, fartei-me de aprender coisas, o senhor conhecia bem o caminho mesmo sem GPS, na chegada a santarém tive que ser mesmo eu a ensinar... é que ninguém mora na moçarria e a querida da senhora da assistência em viagem, disse que era de lamego para santarém, mas esqueceu-se de dar a morada exacta... deve ter suposto que eu conseguia indicar o caminho até à casa do meu pai... sou muito espertinha! e na chegada o senhor taxista disse "tem uma vista muito bonita"... surpreendeu-me ora vejamos ele é de trás-os montes, daquele sítio fantástico, com vistas fabulosas, terreno acidentado, a natureza e a mão do Homem ao seu melhor nível e ele delicia-se com a vista (é de facto bonita e chegamos o sol já estava a baixar que dá logo outra cor ao céu) do ribatejo!
este senhor taxista era um homem dos 7 ofícios, dado que era dono da empresa dos taxis, tinha um café, fazia parte de uma organização de desenvolvimento regional, não sei qual mas fazia, deu-me ideia que tb dava uma perninha na política local e pelo que foi dizendo era bastante inteligente, adepto fervoroso da sua região e apreciador de portugal. para mim isto é que é o verdadeiro homem do norte, carago!!! desta vez não estou a usar qualquer ponta de ironia...

sábado, junho 12, 2010

menina declaro-te oficialmente uma noiva de sto antónio

já sei utilizar a agenda profissional, mas na vida pessoal não me obriguem que nem sequer quero tentar...
a ultimar os preparativos da presença no casório, como sempre deixo tudo para a última, consegui marcar ontem para daí a meia hora uma coisa que devia ter feito antes, obrigada à esteticista aqui do bairro que ficou sem almoçar, ir comprar a echarpe à noite, obrigada à claúdia que me ajudou a escolher...
ir arranjar as mãos, porque saí de casa cedo decidida a bater todos os cabeleireiros até que me dissessem pode vir agora, consegui no segundo 8.45, posso é só aguardar 15 min para eu ir tomar o pequeno almoço com a minha filha e eu aproveitei para ir até ao sr cardoso. vir a casa dirigir-me às 11 ao cabeleireiro que estava marcado há 2 semanas para o 12.30 (ia jurar que tinha marcado para as 11.30) e sorte das sortes a moça das 11.30 tinha desmarcado, iupi!!! obrigada à mocita que não conheço e à disponibilidade do jorge! vir a caminho de casa na rádio estar a tocar a shakira com o seu hit a fazer lembrar o cacém Africa, o rádio do carro mudar de estação por vontade própria e ouvir "hoje é o primeiro dia do resto da tua vida" na rádio renascença, não tive coragem de voltar à RFM até o sérgio se calar, depois o rádio continuou a insistir comigo que queria estar na RR, mas eu sou mais teimosa! quando voltei à RFM tocavam os pink floyd, wish you were here! mas como não estás! agora é só esperar que a sandrinha chegue de barcelona e ir para cima que está lá o pief em peso (saudades) e que a festa é tua padilhoca, mas sabes que nós ajudamos! e como já te disse se não chegarmos a tempo do sim... casa na mesma, não te preocupes que nós estamos bem... até já!!! noiva de santo antónio do nourte!!!!

o maior medo...

um dia olhar para trás e perceber que deixei passar entre os dedos algo ou alguém, por teimosia ou por distracção, que fazia todo o sentido, que era o próprio sentido...
daí a minha continua dificuldade em fechar portas.
nisso sim, estou IGUAL!!!

está igual...

... cada vez que mostro fotografias antigas a alguém dizem-me "está igual", sorrio e penso... não, não estou, tb me dão sempre idade abaixo da que tenho entre os 21 e os 28 dependendo da idade do interlocutor, os meus putos mais para os 21/25, na escola 23/25, pessoas que aqui e ali vou conhecendo noutros trabalhos ou noutras situações até aos 28 e pára...
costumava ser diferente, aos 14 davam-me 18, entre os 18 e os 20 davam-me a minha idade real a partir daí deram-me sempre menos!
como dizia uma amiga minha de há muitos anos e eu ficava zangada porque nunca me davam a idade que tinha, e eu interpretava isso como "ninguém me leva a sério!", não te preocupes que quando tiveres 80 ninguém te dá mais de 60!
a partir dos 25 passei a gostar de fazer anos, de ficar mais velha, mas para quem vê de fora parece que... estou igual!
não sei a que atribuir este facto! visto que maquilhagem sempre usei pouca ou nenhuma, só em situações excepcionais, sei que me fica bem e basta só um bocadinho que valoriza logo, por isso mesmo não é ritual diário.
continuo a não conseguir habituar-me a usar creme hidratante todos os dias, agora já consigo lembrar-me dia sim, dia não, logo de manhã! não tenho paciência, são coisas que me fazem perder muito tempo.
tenho a sorte de, hoje em dia gostar de quase tudo, não ser esquisita, os pimentos, o excesso de cebola e a comida muito condimentada é que não me convence. adoro sushi, mas a farinheira, o chouriço e a linguiça, ou não fosse eu alentejana, como saladas, de preferência acompanhada por... batatas fritas (a culpa é da minha avô que me habituou mal), peixe grelhado à beira mar é óptimo e um bom bife com molho ou pataniscas de bacalhau com arroz de feijão também... não percebo porque é que tantas vezes me perguntam com admiração, mas tu comes carne?!?!?
pois é por fora estou igual faço um esforço grande para estar diferente mas isso dá tanto trabalho que prefiro estar igual...
agora já tenho resposta estou igual, muito mais madura, mas igualmente parva e a cada ano que passa fico diferente por dentro, mas isso é construção pessoal e quem me conhece bem sabe, que estou um bocadinho diferente.

sexta-feira, junho 11, 2010

amiga...

é o teu último dia de solteira, amanhã lá estaremos para fazer a vossa festa! não podia casar mais perto é que descobri agora que vila real fica um bocadinho fora de mão!!!
toda a felicidade do mundo para os dois
amanhã é mais um primeiro dia dos resto das vossas vidas, menina padilhocas!

descobertas dos últimos tempos...

... sem esquecer o que já tinha aprendido!

descobri a utilidade
- do i-pod e dos tenis para melhorar a condição física e ocupar o tempo
- do blog e das palavras que saltam no fim de cada momento de descanso
- de seleccionar os jogos parvos do facebook, agora já só jogo um, não há tempo para mais
- ir ao senhor cardoso dizer bom dia e andar pelo bairro
tudo isto para ocupar o tempo que tenho a mais entre as 7 e as 9 da manhã...
- de andar de transportes quando tenho que acompanhar alguém a qualquer sítio
- a importância de ter e usar uma agenda
- de saber fazer tudo em casa, ainda que pratique muito pouco
- de usar a rede que está no terraço
- de ver o nascer do sol
- de ter um telemóvel com máquina fotográfica
- de ser tranquila e só levantar a voz quando tem mesmo que ser
- de dormir bem mas menos tempo
- de me zangar
- de não entrar em guerras que não são minhas
por este andar, qualquer dia, ainda descubro a utilidade de usar um auricular no carro!

já tinha descoberto a utilidade:
- das visitas aos museus
- da time out
- de passar tempo com as minhas amigas do coração, de passar só para dar um beijinho, às pessoas que trazem saudades
- do facebook, do telemóvel e do e-mail para comunicar com quem não pode estar perto de nós
- de ler jornais
- de me rir de mim própria e das coisas que me acontecem
- ser rápida a arranjar-me de manhã e a maquilhar-me quando tem que ser
- ser rápida a arranjar soluções alternativas para os meus problemas e para os dos outros
- falar inglês
- de relativizar
- de ter sentido de humor
- ser para os outros como gostava que eles fossem para mim
- de viajar
- dar às coisas a importância que elas têm e nem mais um bocadinho
- de dizer bom dia
- de ir ao cinema sózinha ou muito bem acompanhada (voltar ao item amigas do coração)
- de sorrir mesmo quando não me apetece
- de andar pela rua sem destino
- de lutar por aquilo que quero
- de chegar a horas
- de fechar portas ainda que tenha enorme dificuldade nisso e consiga sempre tentar arranjar uma desculpa para as deixar entre-abertas

espero em breve esquecer-me...
- da utilidade do isqueiro ou pelo menos lembrar-me da sua utilidade bastantes menos vezes :D

espero voltar a lembrar-me de aproveitar os meus dias de folga e de fim de semana, para fazer só aquilo que me apetece (disto ainda não me esqueci assim tanto :D)

estamos sempre a aprender!!!

virtudes públicas, vícios privados!

este dito popular anda a passear os meus pensamentos, não sei muito bem porquê, mas anda por cá! tema para desenvolver numa próxima oportunidade, porque hoje está a chover e não me apetece pensar nisso!!!

quinta-feira, junho 10, 2010

a vida tem destas coisas...




Vamos comemorar

EU ACHO QUE OS DEUSES
QUERIAM QUE FICÁSSEMOS JUNTOS
MARCARAM UMA FESTA UM LUGAR PRA IR
FIZERAM QUE UMA AMIGA
TE LIGASSE PRA SAIR
NOS ENCONTRAMOS NOS CONHECEMOS
FALAMOS SEM PARAR
DO TEMPO QUE PERDEMOS
FIZEMOS PLANOS PARA MUITOS ANOS
MAS AQUI ESTAMOS DIZENDO ADEUS
MEIA-NOITE
NO MEIO DO NADA
ESTAMOS NUMA PONTE
CADA VEZ MAIS FRACA
EU VEJO A VIDA COMO ELA É
O CHÃO SUMINDO SOB OS NOSSOS PÉS
NÃO TEM MAIS JEITO O VENTO SOPRA
E MINHAS MÃOS SE SOLTAM
E EU BATO DE FRENTE NUM MURO
E CAIO NUM ABISMO ESCURO
NÃO IMPORTA SE ISSO É O FIM
NÃO IMPORTA O QUE
O DESTINO QUER PRA MIM
VAMOS COMEMORAR
COMEMORAR
A VIDA É ASSIM
QUERO DEIXAR PRÁ VOCÊ
ANTES DO SOL NASCER
UMA CANÇÃO
PRÁ VOCÊ NÃO ESQUECER
ÀS VEZES PARECE
QUE TUDO JÁ ESTÁ ESCRITO
O QUE SERÁ FEITO
O QUE SERÁ DITO
EU NÃO TENHO CONTROLE EU SÓ REPITO
PALAVRAS QUE EU SEI QUE QUEIMAM
E EU NÃO FAÇO NADA FICO SEM AÇÃO
EU ME SINTO CARREGANDO
O MUNDO
EU TENTO NADAR
MAS EU SÓ AFUNDO
/ REFRÃO /
VAMOS COMEMORAR NÃO FIQUE TRISTE
UM NOVO DIA SEMPRE EXISTE
QUERO DIZER O QUE EU SINTO PRA VOCÊ
NUMA CANÇÃO PRA VOCÊ NÃO ESQUECER

PS. se tivesse sido eu a escrever esta letra teria um ou outro ajuste, mas no compito geral está lá tudo!!!

banda sonora...

... limitei-me a andar pelo bairro durante meia hora, com banda sonora apropriada, bem bonito o meu bairro, subidas e descidas, clube desportivo, vários aliás, mais uma obras, a vista de rio, a calçada que com tenis não tem qualquer problema, meia horinha para pensar, comprar jornal, no final e tomar o pequeno almoço, no sr cardoso... decisões do dia de portugal, reduzir o tabaco que não ganho para o que estou a fumar agora, nem tenho vida, nem pulmões para isso, vou acreditar no meu puto que me fez o reparo e que combinou comigo que me ia ajudar, quando estiver ao pé dele não posso fumar, disseram-me um dia que nas férias não se deixa de fumar, normalmente não resulta e eu sei bem que não, parece-me muito justo, eu ajudo-o no que nós achamos que ele precisa, ele ajuda-me no que acha que eu preciso... troca justa! é tranquilo! disse-me um dia, não há muito tempo, a teresa já nos conhece, mas nós também conhecemos a teresa, porque é que está assim?!?

(entretanto fui estender roupa que ela não se estende sózinha e o sol resolveu brindar o dia de portugal, o nosso país merece, eu mereço para poder ir estender-me no escritório vista rio do meu palácio e os senhores que vão marchar na parada tb, o mesmo não se pode dizer dos que estão debaixo do toldo, deviam ter uma nuvenzinha privada para lhes chover em cima cada vez que fizessem m****, era ver certos ministérios com inundações sucessivas, com a água que conseguem meter mais a que sairia da nuvenzinha, a zona do terreiro do paço, mais a zona de s. bento e outras mais que agora não posso precisar virariam uma enorme piscina, sorte a minha que vivo numa zona alta! mas isto são coisas minhas que sou a favor dos direitos dos trabalhadores!)

onde é que eu ia mesmo, já sei a banda sonora do passeio matinal deixo-vos com ela...

esta...



olha que a versão original não é dos xutos, mas podia ser verdade?!?!? :O

mais esta...



num mundo onde amigos invisiveis nunca ligam outra vez...
(...) talvez até porquê ninguém mude por você!

e ainda outra...



o que você faz quando, ninguém te vê fazendo?


estas são só algumas se tiverem interesse ver mais aqui estão lá as músicas do novo disco que até este momento desconhecia... mas já percebi que gosto muito... de todas... assim que sair fará parte da lista do meu ipod, agora que descobri que ele tem alguma utilidade :D

dia de portugal de camões e das comunidades...

7.30 e já estou em franca comemoração... o relógio biológico continua certinho... morro por volta da 1 da manhã! só começo a trabalhar às 14 h...
hum! acho que vou... correr - disseram-me que fazia bem - na verdade devo ir andar que gosto pouco de correrias e não tenho treino para isso! apanhar chuva miudinha na tola a ver se refresco as ideias!

vantagens e desvantagens de viver no bairro popular de lisboa!

tudo são vantagens excepto na altura dos santos, especialmente se se trabalha no dia a seguir... estou na sala e como música de fundo tenho o quim barreiros a cantar o bonito poema, mestre de culinária e vai ser a noite toda... a vantagem é que no meu quarto não se ouve a banda sonora das tradicionais noites dos santos... nesta altura do ano os inúmeros lugares de estacionamento da rua são ocupados desde cedo o que para mim é um problema já que saio tarde do trabalho!
na noite de sto antónio nunca tenho que me preocupar em ir aos santos, nem à avenida, já que são eles que vêm até mim, basta-me pôr o pé na rua que tudo fica resolvido! mas o estacionamento é um inferno se tenho o azar de tirar o carro depois das 3 acabou... este ano não vou ter stress, dado que um casamento em vila real, dia 12 de junho me vai impedir de estar presente em tão nobre festejo popular!!!

boa sorte...

pois que chegou a altura de desejar boa sorte a quem de direito! não há paciência para mais... continuo oficialmente triste, mas cá me tenho arranjado... o dia só tem 24 horas e não há tempo para tudo, por isso quando não tenho alternativa deixo a tristeza entrar, mas só um bocadinho, que não tenho paciência para me aturar quando deixo a tristeza instalar-se... acho que se chama a isto crescer mais um bocadinho :D

acho que esta letra já andou neste blog...

quarta-feira, junho 09, 2010

mais memórias

acho que a primeira vez que ouvi esta música estava em cabo verde, pela segunda vez, corria o ano de 89 e foi nas férias da páscoa, desde essa altura muita coisa mudou, lembro-me de ter ficado loura por causa do sol e do sal no cabelo... se em pequena tinha a ambição de ser loura "para se ver ao longe" como costumava dizer para a minha mãe, nessa altura já não achei assim tanta piada!!! também ouvi esta música na rádio hoje!!!


terça-feira, junho 08, 2010

memórias caras...

hoje ligaram-me para saber se podia ir fazer uma colónia este fim de semana de quinta a domingo... tive tanta vontade de dizer que sim, sem pensar, mas desta vez não posso... tenho um casamento... saudades do tempo em que se dormia a correr e em que descobri que a hora de deitar e a hora de levantar só têm a ver uma com a outra se coincidirem... saudades de cantar até de madrugada, entre os petiscos e as conversas que são como as cerejas, desafinada como só eu sei, o palma, o rui, a zelia, o sergio, o djavan, o eros, os u2 e muitos, muitos outros!!!
no regresso a casa de hoje era isto que tocava na rádio...

segunda-feira, junho 07, 2010

entre barcelona e lisboa, a música não tem pátria!




... ainda bem que consegui ir! foi difícil dado que o meu relógio biológico justamente quando mais precisei dele falhou e o despertador do telemóvel também... valeu-me a minha sandrinha que me obrigou a levantar e por-me ao caminho! o freud explicaria, mas foram cerca de 10 minpara me arranjar e seguir...
depois foi ver o descolar do cockpit e falar da velocidade do som, de altitudes, do concorde, para cortar a conversinha manhosa que o Homem do comando pretendia instalar. todos iguais quando acham que mandam... e voltar à executiva onde nos aguardava a restante comitiva!
à chegada nova experiência, ficar um bocadinho para trás para ver a movimentação do aeroporto e pedir informações sobre a melhor maneira de chegar ao centro que não de taxi, perguntar os preços para não ser enganada é que "de espanha nem bom vento nem bom casamento", sempre ouvi dizer (já vos disse que gostei da experiência de viajar só com a bagagem de mão) e depois de todos já terem as suas bagagens, fui interceptada por um jovem de farda que me pediu o passaporte, sorri, respondendo às questões colocadas, dizia que não era passaporte era bilhete de identidade, que não não era brasileira, lá porque estava de calça de ganga e de tenis com uma malinha colorida, não se pode chegar a barcelona com indumentária desportiva? (isto para explicar à sandra a razão daquele pit stop) enquanto procurava na mala o documento de identificação. teve sorte o senhor de não lhe ter espetado com a mala no colo para procurar melhor. mandou-me seguir!
a primeira tarde foi passada pelas ruas (barcelona tb deve ter um cacém e tem os mossos de esquadra que tentam afugentar só com a presença os achas que sabes dançar de rua, apesar dos turistas não lhes ligarem pevas, aos mossos, claro!), a fugir das lojas (são quase iguais às de lisboa), no tour de reconhecimento, no park guel, é mágico aquele parque, faz lembrar a gulbenkian, mas em maior e mais colorido, depois jantar animado e regressar a casa na melhor companhia, os meus pensamentos e eu, com o objectivo de acordar cedinho e explorar o tanto que há para conhecer ou revisitar em barcelona.
no dia seguinte visita ao ayuntamiento que se impôs no nosso caminho, gostei porque ainda por cima o benfas estava referenciado, tira foto de mim e da águia para mais tarde recordar, palau de la musica, já só havia visitas em castelhano logo escolhi a mais tardia para dar tempo de ir ao museu picasso... chegados ao museu resolvemos desistir, já que a fila era para lá de grande, foi só o tempo para ir à loja do museu em frente, o do design e comprar o postal que sintetiza todo o meus estado de espírito do momento. "I you". é mesmo só assim, cada vez que olho para o postal surgem-me palavras muito contraditórias. depois seguir para a exposição do dali, que era temporária e por não estar devidamente referenciada não tinha ninguém, foram uma duas horas bem passadas entre conversas, não já disse que como carne, uma cadeira de história de arte no curso de psicologia tinha sido tão útil, pena só ter percebido agora e mais fotos naquele mundo tão subjectivo e amigo das percepções e interpretações pessoais, almoçar, comprar recuerdos e perceber que se não negociares és enganado como qualquer turista, será que há asae em barcelona, se há, funciona muito mal... e correr para a visita ao palácio da música, já sózinha, que havia festa na praia e os companheiros de viagem não quiseram perder. ajudar o casal de brasileiros com problemas com a "hospitalidade" espanhola e perceber que o facto de me ter empurrado para a última visita do dia me permitiu fazer a melhor visita do fim de semana, assistir, ao ensaio geral do concerto que teria lugar nessa noite, mais do que ver o palácio da música, sentir a música na sala de concertos carregadinha da história catalã, foi maravilhoso! gosto dos catalães, são... muito pouco espanhois! depois era tempo de comprar recuerdos e a loja estava meio fechada para uns (os morenos) e meio aberta, para outros (os louros). agora penso, talvez isto se devesse à dificuldade que os espanhois têm em falar línguas que não o castelhano. e lá ganhei cerca de 10 minutos a reclamar da falta de profissionalismo espanhol, dirigi-me a quem de direito e quando indagada sobre que língua falava, referi o português ou o inglês pois que podiam escolher, podia tê-lo feito em castelhano mas para isso era necessário que houvesse gente humilde do outro lado, já vos disse que detesto espanhois e que cada vez mais gosto de festejar o 1 de dezembro, bendito seja esse dia no longínquo ano de 1640... olha que em 10 minutos tinha a loja aberta, eu e os 2 casais de brasileiros que queriam só comprar o livro do museu e que estavam envergonhados e sem perceber porque razão é que para eles a loja estava fechada... explicou-me a recepcionista que havia um problema com a caixa da loja, expliquei-lhe eu que se o problema era esse devia ter explicado o que se passava e não dizer simplesmente está cerrada, quando o horário afixado mostrava exactamente o contrário e as pessoas que se passeavam dentro da loja de porta semi aberta tb davam a entender a mesma coisa, basta por um papelinho na porta ou contratar alguém para estar atrás do balcão que saiba falar línguas, já que é uma loja cuja maioria dos clientes são por norma, vamos dizer... turistas que falam outras línguas, que não o castelhano... (nota: é difícil verem-me a reclamar, normalmente sou daquelas pessoas que me calo, viro as costas e nunca mais volto ao sítio, mas nesta fase da minha vida em que tenho tanta coisa por dizer, por falta de encontro de horários, que calei tanta coisa e que estou triste, reclamo quando tenho a certeza absoluta que tenho razão!)
voltei a casa e tudo dormia, voltei a sair para me perder nas ruas de barcelona, mais uma vez eu os meus pensamentos, e foi aí que penso ter percebido com mais clareza aquilo que TU ainda não me quiseste explicar. deixei o coração algures nem sei bem onde, porque não me disseste, mas está contigo, mas levei comigo a cabeça, às vezes, precisamos deste distanciamento físico, no sentido geográfico do termos, uma fronteira terrestre, para entender... e acho que está entendido! mas ainda gostava que me confirmasses pessoalmente... depois foi voltar a portugal e tentar confirmar o que senti na minha cabeça em barcelona... ainda não foi desta os nossos tempos se sincronizaram, cruzaram-se numa altura e a partir daí andam desencontrados... paciência, a vida é mesmo assim... regressei sózinha, eu e a minha música, com saudades de portugal, de lisboa, dos amigos, sempre me senti bem acompanhada com os meus pensamentos e com as pessoas que tenho segura dentro de mim sem precisar da sua presença física, elas existem algures no mundo e acompanham-me de perto... as pessoas a quem não preciso de explicar para me entenderem, que não precisam de dizer nada para eu as entender e se algum vez esse tipo de comunicação falha (e falha como é natural) então pergunta-se, conversa-se, desfazem-se os equívocos... é-se frontal. gosto de pessoas assim e todas as que fui encontrando, tomei para amigos, já não chegam os dedos de uma mão, mas se preciso for e se de facto for merecido tenho sempre a outra mão e os dedos dos pés... gosto de famílias grandes e a família amigos continua a construir-(m)se tal qual a sagrada família de gaudi!




um dia fui turista na minha própria cidade...

hoje foi o dia e... arrependi-me!
de barcelona até lisboa é um pulinho... já conhecia mas fui conhecer mais um bocadinho, fiquei contente porque me oriento bem por lá. Desta vez, sem pais, percebi que fiz tudo tal qual faço com eles, só que como sou eu a fazer os meus horários corre logo melhor... levanto-me mais cedo, farto-me de andar, se estiver muito muito cansada lá vou até ao metro e perco-me no meio das ruelas e vou encontrando pessoas, sítios, lojas ao acaso e sorrio, converso, peço indicações a alguém que tenha ar de ser dali, prefiro as pessoas aos mapas! gosto de barcelona, lisboa está cada vez mais parecida com barcelona e barcelona cada vez mais parecida com nova york. na despedida chegaram as saudades de lisboa até porque aqui o aeroporto é pertinho de casa.
à chegada resolvi ser turista na minha própria cidade e olha que me arrependi um bocadinho! apanhar o 745 até sta apolónia e depois vim a pé e percebi a dificuldade que tem o turista em arrastar a mala de rodinhas pela calçada portuguesa. assim sendo vá de vir pela estrada com cuidado conforme ditam as regras de frente para os carros, para não haver questões de maior e não houve. depois foi só subir a calçada com a mala pendurada, mas também a trouxa de 1 fim de semana é coisa que a minha coluna aguenta bem!
nota mental: acabar com esta mania da independência, da próxima solicitar a uma amiga que por favor me vá buscar ao aeroporto. é bom ver uma cara conhecida à chegada!



Search Video Codes


não fosse o gosto duvidoso para a roupa, o facto de não o conhecer, de ter sido agarrado e de ser artista, este senhor tinha possibilidade de se tornar o homem da minha vida... uma vez que há vários senãos ouço as letras que me fazem algum sentido!!!

sexta-feira, junho 04, 2010

horóscopo de hoje

Podemos perdoar facilmente uma criança que tem medo do escuro, a real tragédia da vida é quando os Homens tem medo da luz...
Platão

quinta-feira, junho 03, 2010

do mesmo grupo...

o próximo livro que vou ler e até há 2 minutos não sabia!!!

Meia Hora para Mudar a minha Vida
Alice Vieira, Ed. Caminho, 2010

“_ Não tenho estrutura para viver contigo.
Disse ele.
Ela ouviu, claro que ouviu.
Até repetiu a palavra:
_ Estrutura…
E sorriu, porque ele nunca usava palavras dessas.
Complicadas.
(…) Ao princípio, a única coisa que ela queria era que ele a abraçasse muito.
Que ele dissesse que nunca tinha gostado de ninguém como gostava dela."

e se chegares a casa de rastos e leres...

Que a levasse ao cinema e a deixasse enfiar a cabeça no seu ombro, e chorar muito quando o filme acabava mal, e os heróis eram infelizes para sempre.Era tão bonito ser infeliz para sempre no cinema.
(…) e o coração das pessoas ficava muito apertado, e saíam da sala a acreditar no amor eterno que as esperava cá fora.

encontrado no facebook no grupo quem lê sophia de mello breyner andresen

reflexões...

há uns anos passaram-me um papel a dizer "és psicóloga de crianças e jovens" estudei 5 anos e no final deram-me esse papel... fui-me construindo a pulso, com dificuldade, pensando em desistir, "será que é mesmo isto que quero, posso sempre ir trabalhar para um banco, atender telefones, vender roupa, ganho o mesmo e não tenho ninguém a virar-se a mim", pondo em causa o meu trabalho, pondo em causa o que me ensinaram! que das cadeiras confortáveis da faculdade para o mundo real a distância é enorme, fiz psicoterapia durante o curso, depois fui arranjando trabalho e desunhei-me para estar à altura de todos os que me foram propostos, gastava quase tudo o que ganhava em supervisão, (benditos sejam os meus pais), trabalhei em muitos sítios porque não se vive do ar e não ia viver às custas dos meus pais, se acabei o curso agora é comigo, ainda que soubesse que se precisasse tinha uma almofada.
do curso retenho alguns ensinamentos deste ou daquele professor, o segredo para uma terapia funcionar é conseguir estabelecer com o cliente uma relação de confiança, o cliente só muda se lhe fizer sentido, sobre a mudança cada pessoa tem o seu tempo e é no seu tempo que vai mudar e não no tempo do psicólogo, deixe que os clientes lhe levem tudo, mas nunca deixe que lhe levem o sorriso (esta é a parte mais difícil para mim), é no psicologo que os clientes vão"despejar" todos os elementos beta e tu tens que ser o tritutador e através de k deves devolver elementos alfa (acho que é isto o bion sempre foi um senhor que me custou a entrar) tudo isto é muito bonito na teoria, mas na prática saí-nos do pelo, principalmente se insistirmos em procurar o nosso emprego de sonho. é que o meu emprego de sonho é trabalhar com crianças e adolescentes de meio sócio económico desfavorecido e fazê-los acreditar que se formos à escola, conseguimos arranjar um bom emprego e se trabalharmos conseguimos ter uma vida e uma família feliz, saudável e digna. conseguimos ter dinheiro para comer, para comprar roupa, para passear, para sustentar uma família e se trabalharmos ainda mais um bocadinho conseguimos pagar uma casa, pagar um carro, que a vida é justa e não interessa se nascemos no cacém, em évora, em cascais ou em qualquer outro ponto do mundo temos iguais oportunidades, basta trabalharmos, mesmo se por alguma razão estranha aos 10 anos ainda não soubéssemos ler fluentemente, ou aos 15 escrevêssemos bifica quando queríamos nomear o nosso clube do coração. fazê-los acreditar, no que eu acredito, que todos somos iguais em direitos e em deveres...
ainda que nos vários sítios onde tive que me deslocar por inerência à função ouvisse coisas como:
"diga-me ele é preto e tem 1.80, é que se assim for resolve-me uma série de questões!" ao que respondi "ali na escola pretos com 1.80 são quase todos, por aí não vai lá"
"a doutora é do benfica esse é o clube dos pobres e dos pretos!" ao que respondi "mas sabe eu sou do cacém (de coração), ainda que por algum acaso estranho tenha nascido em évora e nunca tenha vivido lá!"
"eles levam para ver se endireitam!" ao que respondi "se fosse por levar porrada eles andavam aí direitinhos que nem um fuso, porrada levaram eles muita quando eram bem pequeninos e no dia em que me provar a sua teoria, que houver um estudo escrito, eu serei a primeira a dar-lhes porrada, até lá prefiro conversar com eles"
"estou com muita pena de um, está para ali a chorar, está muito nervoso, disse-me que a mãe morreu o ano passado e tem um problema no coração, sabe eles às vezes dizem que nós..." interrompi "esse que está a falar é como se fosse meu filho e ele estava a dizer a verdade, quanto ao resto não diga mais nada que eu sei que aqui lhes batem e batem mesmo" tinha tido a ousadia de dizer enquanto estava na porta da escola depois do almoço aos senhores policias enquanto estavam a efectuar uma detenção "então isto agora é assim, está aqui um gajo na porta da escola à espera das aulas e vocês chegam e levam um gajo" (eu não vi, foi-me contado pelo vice presidente da escola que assistiu a tudo), foi detido também, não cheguei a saber se por desrespeito à autoridade se por tentativa de impedir o trabalho dos agentes.
quando saí da esquadra devidamente acompanhada pelo agente da escola segura que foi ter comigo quando soube para onde tinha ido, perguntar se precisava de alguma ajuda, tive que me zangar com eles, porque fizeram mal e responderam e explicar que os senhores de farda só estavam a fazer o seu trabalho. explicar-lhe que temos que respeitar a farda porque é o símbolo do estado português e se estamos em portugal, quer tenhamos nascido cá ou noutro do mundo, somos portugueses, ainda que os documentos possam dizer outra coisa qualquer. mais que a farda temos que respeitar os homens e as mulheres que a usam que também têm família e são pessoas para além da profissão... disse-lhe também que há bons e maus profissionais em todas as áreas e que não é por um se comportar como um animal, que todos os outros são iguais! levaram nas orelhas mesmo a sério e pelo que aprendi, às vezes, isto doí mais do que levar com fios eléctricos ou bastões (a isto eles estão habituados). outra coisa que lhes doía eram as lágrimas que volta e meia me rolavam cara abaixo, gordas, soltas e tranquilas, simplesmente caiam, nos momentos de alegria (quando apresentaram o musical, quando chegaram à actividade em que eu estava a trabalhar e os recebi com o meu maior sorriso e com tigeladas, quando ouvi a letra que tinha "encomendado" ao meu "filho" sobre a sua mãe de verdade) e nos momentos de tristeza (por exemplo quando tive que lhes dizer que tinha arranjado outro emprego) a isto eles não estão habituados. rolaram a cada questionamento, mas despediram-na?, mandaram-na embora?, o pief sem si não vai ser a mesma coisa e eu retorqui sempre com a tranquilidade que me é intrínseca, vou porque me candidatei a um emprego em que não fico 3 meses sem contrato, porque já não tenho idade para ficar desempregada no verão, porque enquanto cá estive não ganhei o euromilhões, para ter dinheiro para poder ficar a trabalhar aqui com vocês, de quem gosto muito! e eles aceitaram a minha resposta e as lágrimas continuavam a cair, porque esta era a resposta que a mim não fazia sentido! sentia que estava a fazer um mau trabalho, não!, sentia que não pertencia ali, não! sentia-me mal com a pessoas da escola, não!, sentia-me que não fazia ali falta, não!, sentia simplesmente que nesta altura da vida já merecia alguma estabilidade. eles sabiam que a professora/PJ tinha olho mole, mas custava-lhes ver a moleza do olho da professora...
só a um consegui dizer sem chorar que ia mudar de emprego, foi o último com quem falei, ele do alto dos seus 16 anos disse-me "vai-se embora, mas vai vir cá para nos visitar e não vai ser só uma vez por mês pois não? então pode ir" e sorriu...
sempre que lá vou (e tenho ido mais ou menos uma vez por semana), sou recebida com sorrisos, beijinhos (até porque mesmo que eles não queiram dar eu obrigo), por todas (estou a exagerar) as pessoas da escola, tal como acontecia quando lá trabalhava todos os dias.
há 2 dias um miúdo (já adulto) que não era meu, disse-me a meio da manhã "nunca mais a vi, o que é que aconteceu, muito trabalho! disse-lhe "eu mudei de emprego, estou a trabalhar noutro sítio" e sucintamente expliquei-lhe porquê? "mas em Setembro volta? estes miúdos precisam tanto de si!"
antes da hora de almoço e depois de me ter chateado com eles a sério, mas desta vez em voz baixa porque estávamos na rua, eles afastaram-se de mim uns zangados e outros
sentidos pelo raspanete, disseram obrigada enquanto se afastavam, continuei a observá-los enquanto se afastavam, olharam para trás e disseram-me com alguma preocupação "desta vez não vai chorar, pois não?" (desta vez não chorei).

em resposta a uma sms que recebi no avançar do dia, mandei isto:

"um dia tu vais perceber que quando me zango contigo é porque gosto muito de ti e não quero que te metas em confusões, chegam as coisas menos boas porque já passaste!"

cada um deles sabe isto no seu intimo, (mesmo aqueles a quem não tive oportunidade de dizer individualmente, ou porque não foi preciso ou porque não quiseram ouvir), só quis mesmo reforçar a ideia :)

quarta-feira, junho 02, 2010

...




um dos meus filhotes!!!
saí a mim no peito, nos penteados esquisitos e... no sorriso!!!

terça-feira, junho 01, 2010

revisitando...

depois do rock in rio, voltei a lembrar-me que o palma existe e costuma fazer sentido em algumas alturas da minha vida...
este miúdo é um exagero, mas há dias que se tiver paciência para procurar, encontro a letra que faz tanto sentido, ou então sem procurar ela surge sem pedir licença, faz MUITO sentido e fico bem mais contente... não estou sózinha, houve alguém que já sentiu como eu...
já me disseram que para algumas pessoas o tony carreira tem o mesmo efeito anti fossa, de uma forma mais desesperada porque segundo me contaram "quando ouço o tony são os únicos momentos felizes da minha vida!". comigo não resulta, não tenho vida para ser feliz só quando estou a ouvir música, tanta coisa para fazer e tão pouco tempo, seria muito, mesmo muito triste.
prefiro o palma, a música em geral, a escrita, ler um bom livro, o freud ou outro dos seus companheiros de armas, chamaram-lhe sublimação (era coisa para eu saber de cor, como é que posso ousar dizer que sou psicóloga, sem ter estas certezas acabadas?!?!
prefiro, também, o sol no terraço só comigo (uma das minhas melhores companhias) ou com as amigas, chegar ao fim de um dia de trabalho sair de lá com a sensação de dever cumprido e voltar a casa sem pensar mais no que lá se passou. uma das coisas que me custou de inicio perceber, é que a vida deles já existia antes de mim e continuará para além de mim. logo é aproveitar enquanto os nosso caminhos se cruzam para ser o melhor possível. se falhar, já tanta coisa falhou que não vão achar estranho e não será com certeza a memória mais dolorosa, mas se conseguirmos acertar, não se esquecerão de certeza!
vejo agora que estou a falar de trabalho... mas isto pode ser aplicado a tantos campos da vida.
há aquele ditado "mais vale arrepender-mo-nos de ter errado, do que nem sequer ter tentado" qualquer coisa como isto, a cultura popular é que a sabe toda :D





Ao Meu Encontro Na Estrada


Disseste que vinhas
E não chegaste
Mudaste de planos, ok

Mas isso deitou-me tão abaixo
Espero que tenhas pensado bem
Estou triste que só eu sei
Preciso de alguém

Chaminés pretas deslizam
Nas janelas de mais um comboio
Casas e pessoas
Feias árvores falidas
E um céu angustiado
Tal é o meu quadro
Estou bem chateado

E agora toca a arranjar o buraco
Que eu tenho no coração
Vou mudar de cenário
Que a coisa assim está mal parada
Vou procurar calor
Mudar de estação

Há-de vir alguém
Ao meu encontro na estrada

Pensei tanto em ti
Que não calculas
De manhã, à tarde e ao anoitecer

Andava louco de contente
Só com a ideia de te voltar a ver
Ahh, mas que grande idiota
Voltei a perder

Procuro no fumo e no vinho
A forma de chegar depressa à fronteira
Mas sei muito bem que a dor que sinto no peito
Não vai com a bebedeira
Pus-me a voar a cair
Da pior maneira

E agora toca a arranjar o buraco
Que eu tenho no coração
Vou mudar de cenário
Que a coisa assim está mal parada
Vou procurar calor
Mudar de estação

Há-de vir alguém
Ao meu encontro na estrada
Há-de vir alguém
Ao meu encontro na estrada


PS. para isto fazer mais sentido o truque é trocar as citações referentes ao vinho por trabalho, é mais saudável e dá um cansaço bom, de dever cumprido... ainda que me saia do couro!