domingo, dezembro 23, 2007

What else?...

Sexta-feira às 18h, eu e a Michelle entrámos na loja da Nespresso do Chiado com um objectivo simples: comprar café para a minha mãe, mais uma viciada no fenómeno Nespresso.
Tirámos a senha com o bonito numero 825. Olhámos para o ecran e a senhora estava a atender o numero 614. Gargalhada...seria possível que estivessem mais de 200 pessoas à nossa frente para comprar café? CAFÉ? Se estivéssemos na Etiópia e fosse a fila para o Arroz, ok...mas CAFÉ??????
E agora, decidir o que fazer: ficar ou bazar? Nem sequer bebemos café, por isso nem isso tinhamos para nos entreter...
(Note-se que a nossa boa disposição e ponderação em ficar só foi possível porque estávamos de férias há 1 hora e ninguém nos ia tirar nem a vontade de rir, nem o sorriso estupido da cara...em qualquer outra altura, nem sequer teriamos entrado...a não ser que lá estivesse o George Clooney dentro...aí até podia ter a senha nº 17428374265471831).
Nisto, estamos na decisão de ficar ou bazar quando uma miuda vai a sair furiosa e diz: "toma, queres?" E entrega-me uma senha com ar de quem tinha estado na guerra, mas com o numero 693 (tirada às 16h41).
E assim, de repente, já só estavam 80 pessoas à nossa frente...Acabou por ser rápido, consegui comprar o café e a minha mãe pode considerar essa a minha prenda de Natal. Não o comprar, mas o estar disposta a enfrentar uma fila, para o comprar.
De qualquer forma, se alguém me conseguir explicar, o que é que a máquina e o café tem de especial para que tanta gente, por todo o mundo, esteja disposta a enfrentar filas de horas para o comprar, agradeço...e não digam que é o Clooney, que eu bem sei que ele não estava na loja...

Sem comentários: