declaração de Amor I

(...) tu... escapaste sempre à derisão e à ironia em que procuro esconder a ternura de que me envergonho e o afecto que me apavora, talvez porque desde princípio tenhas topado que sob o desafio, a agressividade, a arrogância, se ocultava um apelo aflito, um grito de cego, a mirada lancinante de um surdo que não percebe e busca em vão decifrar, nos lábios dos outros, as palavras apaziguadoras de que necessita(...)

a. lobo antunes in memória de elefante

Comentários

Mensagens populares deste blogue

como tu nunca...

cri cri cri foguete...